O cenário é preocupante e pode colocar em causa a assistência às populações em casos mais críticos. Nenhum dos hospitais do concelho de Lisboa que dispõem de heliporto têm autorização para receber helicópteros do INEM durante a noite. Desde o dia 14 de janeiro que os helicópteros só têm autorização para aterrar no Aeroporto Militar de Figo Maduro, avança o jornal Público.

Em causa está o facto de nenhuma das unidades hospitalares da capital ter certificação da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) para receber as aeronaves no período noturno. Entre estas unidades está o Hospital de Santa Maria, o Hospital São Francisco Xavier e o Hospital da Estefânia. Mesmo durante o dia, só o Hospital de Santa Maria pode receber helicópteros de emergência médica.

A situação agravou-se a meio de janeiro, quando a empresa que gere as quatro aeronaves do INEM recusou continuar a fazer aterragens em locais que não estejam certificados pelo regulador da aviação, a ANAC. Com esta decisão, o campo de futebol da Academia Militar, que era utilizado para receber helicópteros, fica também impedido de receber as aeronaves. Apesar da distância entre o aeroporto de Figo Maduro e os hospitais da capital que têm competência para lidar com os casos dos doentes helitransportados, o INEM garante que o serviço de emergência não está em causa.

“Os doentes são nestes casos transferidos de ambulância até ao hospital de destino, sempre com acompanhamento da equipa médica do helicóptero. O INEM garante desta forma, e a cada momento, a prestação de cuidados de emergência médica pré-hospitalares até à entrega definitiva do doente no hospital de destino”, diz a instituição ao Público.

No entanto, na região de Lisboa, existem vários hospitais certificados para receberem helicópteros a qualquer hora do dia e da noite: Hospital de Vila Franca de Xira, Hospital de Cascais e Hospital de Loures (três parceiras público-privadas); o Hospital de Santa Cruz, que, apesar de integrar o Centro Hospital de Lisboa Ocidental, está localizado já no concelho de Oeiras e o Hospital Amadora-Sintra. A estes junta-se ainda o Heliporto de Salemas, no norte do concelho de Loures.

Tiago Caeiro

ler mais