“Temos atividades de prevenção na zona de fronteira”, disse o chefe do departamento de saúde pública da província de Tete, no interior centro de Moçambique, Alex Bertil.

O ministério reforçou o número de equipas de técnicos de saúde e transferiu mais meios e medicamentos para aquela região.

“Nos postos de fronteira, colocámos ‘kits’ de lavagem de mãos para quem vem do Zimbábue”, para tentar eliminar possíveis focos de contágio, referiu.

As autoridades disponibilizaram ainda mantas embebidas em cloro para desinfeção dos pés, assim como pulverizadores para automóveis que atravessam a fronteira, acrescentou.

Há ainda uma agenda intensificada de palestras sobre medidas de higiene e sensibilização porta a porta, acrescentou.

A ação das autoridades estende-se ainda aos distritos mais próximos, mesmo que não estejam junto à fronteira, mas devido a época chuvosa, mais propícia à transmissão de doenças.

 

ler mais