De acordo com os investigadores do Cancer Research United Kingdom Cambridge Institute, o novo teste permite detetar a presença de componentes orgânicos voláteis (COVs), moléculas presentes na respiração e que podem ajudar a diagnosticar o cancro em qualquer estágio.

Deste modo, surge como uma promissora técnica de diagnóstico por ajudar a identificar a presença de cancro também numa fase inicial, crucial para determinar o curso da doença.

O novo teste respiratório está a ser avaliado no ensaio clínico PAN Cancer Trial for Early Detection of Cancer in Breath.

Segundo a investigadora principal, a Profª. Rebecca Fitzgerald, “precisamos urgentemente de desenvolver novas ferramentas, como este teste respiratório, que possam ajudar a detetar e diagnosticar o cancro precocemente, dando aos pacientes a melhor hipótese de sobreviverem à sua doença”.

“A tecnologia Breath Biopsy da Owlstone Medical é a primeira a ser testada em vários tipos de cancro, potencialmente abrindo caminho para um teste universal de respiração”, acrescenta.

Esta técnica inovadora tem como objetivo detetar as alterações de COVs que indicam a presença de diferentes tipos de cancro.

No ensaio clínico, os investigadores estão a recolher e a analisar amostras de cerca de 1.500 participantes, incluindo tanto os que estão em risco de desenvolver cancro como controles saudáveis.

Para começar, os investigadores vão trabalhar com pessoas com suspeita de cancro do estômago e do esófago. No futuro, será testada o potencial deste teste no cancro da próstata, do rim, da bexiga e ainda  no cancro do fígado e do pâncreas.

Mónica Abreu Silva

ler mais