As empresas portugueses exportaram 959 milhões de euros de fármacos em 2017. Não se trata de um recorde – o valor até desceu em relação a 2016 – mas é, ainda assim, o segundo valor mais elevado desde 2010. Portugal exporta medicamentos para mais de 140 países, com os Estados Unidos a liderarem a tabela dos compradores.

De acordo com os dados revelados pelo jornal Público, fornecidos pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), as receitas geradas pela venda de medicamentos ao exterior foi subindo progressivamente desde 2010 (444 milhões), tendo atingido o pico em 2016, ano em que o valor das exportações atingiu os 1020 milhões de euros.

Dados provisórios, relativos aos primeiros sete meses do ano passado, indicam que os Estados Unidos representam 18,2% das compras, seguidos pela Alemanha (15,2%), Reino Unido (12,1%), Irlanda (8,8%), Angola (8%), França (5,4%), Bélgica (5%) e Espanha (4,4%). Apesar de continuar a liderar a tabela dos principais clientes, o mercado norte-americano tem vindo a perder peso no total das exportações (representava 25% em 2016).  Já os dados preliminares de 2018 mostram uma queda em relação ao mesmo período de 2017, o que significa que o volume de exportações poderá voltar a cair este ano. O mercado norte-americano está afundar este ano mais de 57% e o angolano quase 23%.

Contudo, a Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma) refere que a descida das exportações na ordem dos 6% registada em 2017 e a provável nova queda este ano não permite concluir que há uma tendência definida.

De entre os produtos exportados estão substâncias ativas, genéricos e medicamentos de marca. Destacam-se os fármacos para doenças neurológicas, como é o caso da doença de Parkinson; doenças do sistema nervoso central; doenças cardíacas; vacinas e antibióticos, entre outros. Para além dos fármacos, Portugal também exporta dispositivos médicos e material consumível, como compressas ou batas, num valor significativo, próximo dos 300 milhões de euros. Ao todo, as exportações do setor da saúde totalizam 1,4 mil milhões de euros e representam já 3% do total das exportações de bens.

Apesar dos números, a balança comercial portuguesa no que diz respeito aos medicamentos é ainda claramente negativa. Portugal importa 1,88 mil milhões de euros de fármacos, quase o dobro do montante que exporta. Alemanha, Espanha, Reino Unido, Holanda e França são os países são os principais fornecedores.

Saúde Online