O IASAUDE destaca que se trata de um caso importado e que se realizou uma reunião com o Serviço Regional de Saúde (SESARAM) para “análise e avaliação da situação atual”.

Informação divulgada pelo instituto esta quinta-feira refere também que o SESARAM, “em articulação com as autoridades de saúde, procedeu à identificação dos contactos” da doente, estando a ser “implementadas as medidas necessárias, de acordo com as normas e orientações da Direção-geral de Saúde”.

Na Madeira a cobertura vacinal do sarampo é “muito elevada”, entre os 97 e os 99 por cento, recorda o IASAUDE, apontando que a vacina contra esta doença é gratuita em todos os centros de saúde da região.

O presidente do IASAUDE, Herberto Jesus, mencionou que o último caso de sarampo registado na Madeira foi o de uma turista alemã, em 2013.

LUSA/SO