Segundo uma análise do INE a várias vertentes da vida em Portugal e Espanha, 46,4% dos portugueses afirmava que o seu estado de saúde era “bom” ou “muito bom”, um valor muito abaixo dos 72,4% de espanhóis que achavam estar bem de saúde.

De acordo com o documento, intitulado “Península Ibérica em Números 2017”, em Portugal, ter uma doença crónica ou um problema de saúde prolongado é uma situação que atinge mais de 42%, percentagem acima da média espanhola (32,9%) e da União Europeia no seu conjunto (34,2%).

A análise, que verifica os grandes números dos dois países registados em 2015 e 2016, adianta que, em Portugal, apenas uma região NUTS II (concelhos com mais de 800 mil e menos de 3 milhões de residentes) tinha mais do que 5 médicos por 1.000 habitantes: a área metropolitana de Lisboa (6,3). Em Espanha, esta situação ocorria em 9 regiões, todas do NorteCentro.

As regiões ibéricas mais desfavorecidas neste aspeto (menos de 4 médicos por 1.000 habitantes) situavam-se sobretudo em Portugal, com o Alentejo a protagonizar a pior situação: 2,8 médicos por cada milhar de habitantes. Em Espanha os valores mais baixos registavam-se nas cidades autónomas de Ceuta (3,8) e de Melilla (3,4). As três principais causas de morte, em 2015, foram as mesmas em ambos os países: doenças do aparelho circulatório, tumores e doenças do aparelho respiratório.

Mas nem só de saúde se queixam portugueses e espanhóis. Em 2016, uma em cada quatro pessoas (25,1%) em Portugal estava em risco de pobreza ou exclusão social, valor não muito inferior ao de Espanha (27,9%) e quase em linha com a média da União Europeia (23,5%).

Esta situação registou valores ainda mais elevados no que respeita à população jovem (15-29 anos), com destaque para a Espanha, onde o valor chegou aos 37,7%. Em Portugal, a percentagem foi de 27,7%.Apesar de o abandono escolar precoce ter diminuído em ambos dos países entre 2007 e 2016, a redução foi maior em Portugal, onde a taxa passou de 36,5% para 14%

No entanto, os valores continuam, nos dois países, acima dos verificados para o conjunto da União Europeia: 14,9% em 2007 e 10,7% em 2016. Nesse ano, a maioria das regiões ibéricas tinha percentagens de população (25-64 anos) com níveis de escolaridade média entre 20% e 25%. Em Portugal, o valor mais baixo registou-se na Madeira (16,6%) e o mais elevado na área metropolitana de Lisboa (27,3%). Em Espanha, o mínimo ocorreu na Extremadura (17,2%) e o máximo nas ilhas Baleares (28,5%).

Em relação ao ensino superior, a década 2007-2016 mostrou sempre níveis de frequência superiores em Espanha, mas, segundo o documento, “a situação em Portugal tem vindo a melhorar em termos expressivos” (19,5% em 2007, para 34,6% em 2016), enquanto em Espanha se manteve relativamente estável (40,9% em 2007, para 40,1% em 2016).

LUSA/SO

ler mais