A Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que, a partir de 2018, haverá rastreios por todo o país. Desde o ano passado, têm decorrido rastreios em unidades de saúde na região Norte, no âmbito do Progrma de Rastreio da Saúde Visual Infantil.

Em Portugal, “cerca de 20% das crianças, tal como 50% dos adultos, sofrem de erros refrativos significativos”, destaca a DGS. Dados globais da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que há 36 milhões de pessoas cegas em todo o mundo e 217 milhões com problemas moderados ou graves. A OMS considera que 80% das causas destes problemas podem ser evitadas ou tratadas.

LUSA/SO/SF