Participam nesta iniciativa 11 centros de saúde (CS), com um total de 12 médicos dentistas a trabalhar.

A presidente do Conselho Diretivo da ARSLVT, Rosa Valente de Matos, congratula todos os profissionais pelos “resultados muito positivos alcançados neste primeiro ano de atividade”. “O projeto-piloto, que alargaremos progressivamente a outras unidades da ARSLVT, é um excelente exemplo dos cuidados de proximidade que queremos prestar aos nossos utentes”, defende a presidente da ARSLVT.

“As consultas de saúde oral refletem o nosso investimento numa equipa de saúde composta por médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, dentistas e outros profissionais. Com este projeto-piloto apostámos na promoção da saúde, sobretudo dos utentes mais vulneráveis”, acrescenta Rosa Valente de Matos.

Nos primeiros três meses do projeto, até dezembro de 2016, foram abrangidos os doentes portadores de diabetes, neoplasias, patologia cardíaca ou respiratória crónica, insuficiência renal em hemodiálise ou diálise peritoneal e transplantados. Desde o início deste ano, todos os utentes destes locais passaram a poder ser referenciados para consultas de medicina dentária.

Para o segundo ano de atividade está previsto o alargamento do projeto a mais 12 Centros de Saúde da ARSLVT.

Atualmente, integram a iniciativa Cuidados de Saúde Oral nos Cuidados de Saúde Primários o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Almada-Seixal (Unidade de Saúde Familiar Monte da Caparica), o ACES Oeste Sul (CS de Mafra-Ericeira e CS da Lourinhã), o ACES Estuário do Tejo (CS de Alenquer, CS de Arruda dos Vinhos, CS da Azambuja), o ACES Lezíria (CS de Rio Maior, CS do Cartaxo e CS de Salvaterra de Magos), o ACES Arco Ribeirinho (CS da Moita) e o ACES Médio Tejo (CS de Fátima).

Comunicado/SO/SP