O procedimento garante maior eficácia, segurança e precisão no tratamento, tendo sido os resultados, da primeira cirurgia, “muito positivos”.

“Este procedimento promete ser um dos grandes avanços e uma importante arma terapêutica no tratamento dos tumores da coluna vertebral nos próximos anos. Esta técnica baseia-se num sistema de ablação por radiofrequência bipolar localizada que destrói as células tumorais, aliviando a dor e melhorando a qualidade de vida dos doentes”, revela Vítor Moura Gonçalves, neurocirurgião responsável pelo procedimento.

O médico acrescenta ainda que “os resultados da primeira cirurgia são já extraordinários, com benefícios consideráveis para a doente e para a sua família. De acordo com a doente, numa escala de 0 a 10 valores, a dor, antes da cirurgia, variava entre o 9-10 e após a cirurgia, até à presente data, refere grau 0”.

Os tumores que mais frequentemente afetam a coluna vertebral são as metástases ósseas, resultantes da disseminação proveniente de neoplasias localizadas noutras partes do corpo como o pulmão, mama, próstata, rim ou aparelho digestivo. Estima-se que em Portugal a incidência de novos casos ronde os 25 mil por ano.

“As metástases vertebrais originam dor intensa e de agravamento progressivo, sendo muitas vezes acompanhadas de outros sintomas como perda de apetite, perda de peso não planeada, náuseas, vómitos ou falta de força. Estes sintomas reduzem drasticamente a qualidade de vida dos doentes, culminando numa marcada impotência funcional nas tarefas diárias e dependência de terceiros”, revela o médico.

O procedimento está indicado para tumores ósseos benignos e metástases ósseas de tumores malignos. Estas últimas ocorrem em cerca de 60 a 80 por cento dos doentes oncológicos, mais frequentemente nas neoplasias primárias da mama, próstata, fígado e pulmão.1 Mais de 80 por cento das metástases ósseas surgem no crânio, na coluna vertebral e nas costelas.2 Esta nova técnica cirúrgica constitui uma alternativa aos tratamentos convencionais, que incluem cirurgias mais agressivas e com prolongados tempos de recuperação ou esquemas de paliação da dor muitas vezes ineficazes e com efeitos colaterais nefastos.

Esta tecnologia de radiofrequência bipolar refrigerada é a única que oferece precisão e flexibilidade, garantindo um tratamento personalizado a cada doente. O sistema utiliza sondas refrigeradas que evitam o superaquecimento dos tecidos circundantes durante o procedimento.

Comunicado de Imprensa/SO