De acordo com dados de um estudo conduzido pelo Projeto Saúde.come, em Portugal, cerca de 20% da população está em situação de insegurança alimentar, o que significa que têm acesso limitado a uma alimentação saudável ou receiam não ter o que comer por dificuldades económicas.

Projeto Saúde.Come verificou que estes portugueses têm mais doenças crónicas – diabetes, depressão e doenças reumáticas. E consomem mais recursos de saúde – hospitalizações e consultas hospitalares. “É um sério problema de saúde pública que tem impacto em todo o sistema de saúde no país”, alerta Helena Canhão, coordenadora da investigação.

Cerca de 20 por cento das famílias portuguesas estão em situação de insegurança alimentar, o que equivale a dizer que uma em cada cinco não tem acesso a uma alimentação saudável e receia não ter o que comer. Estes dados resultam da investigação do projeto Saúde.Come, conduzida por uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa, em 2015 e 2016.

O estudo tem por base um inquérito nacional sobre insegurança alimentar, aplicado a 5.653 indivíduos com mais de 18 anos, representativos da população adulta portuguesa e que estão a ser seguidos desde 2011 (a coorte EpiDoC).

“Este é um sério problema de saúde pública em Portugal”, salienta Helena Canhão, investigadora principal do Saúde.come. “E tem grande impacto, não só na saúde das pessoas como em todo o sistema nacional de saúde”, sublinha

LUSA/SO